quinta-feira, 10 de março de 2011

Ejaculação Precoce

Eram 15h10 de uma tarde de quinta-feira onde o sol aparecia surpreendendo a todos, quente e altivo. Surpresos estava os paulistanos, visto que depois de quatro dias carnavalísticos, este mesmo sol maroto, se quer, havia dado as caras. Pois bem, hoje ele escolheu a Rua Augusta como local de retorno. Os transeuntes paulistanos acostumados - mas ainda assim surpreendidos - estavam com suas blusas e guarda-chuvas, Inúteis.

Eu, querendo estrear a blusa que ganhei de presente da minha irmã, também fui surpreendido por esse calor indeciso. Eu, de birra, não a tirei, e sabem por que? Por dois motivos. O primeiro é que ela não era uma simples blusa, mas uma blusa cor de tangerina. Isso mesmo, chamativa e altiva, disputava com o sol o calor que emitia. Nunca fui fã de cores chamativas, mas aquela blusa em especial era idêntica a que o personagem Nicolas ganha no filme "Amores Imaginários". Não obstante, o destino sensibilizou a minha irmã e persuadiu-a a dá-la de presente à mim. Eu, sem delongas, aceitei.

O segundo motivo é que eu estava apenas com ela, combinada com uma bermuda jeans acima do joelho e um tênis iate. Todo largadinho aguardando o início da sessão de "Bruna Susfistinha". Dei-me o dia de folga no trabalho e fui vê-la, sozinho. Estava me sentindo lindo com meus cachos intencionalmente caindo sobre os olhos. Intenção esta que provocou vários flertes no decorrer do dia, os quais eu conto depois, pois o foco do post e outro.

SEXO AO VIVO

Caminhando na Rua Augusta, sentido Av. Paulista, eu já havia desistido de procurar o chapéu panamá que tenho tanto desejo. Não vendia em nenhuma loja - Até vendia, mas os R$199,00 estipulados pela Lacoste da Oscar Freire estavam além de meu orçamento - e conformei-me em comprá-lo em outra ocasião. No entanto, continuei a degustar visualmente os apetrechos alternativos que a Rua Augusta me oferecia.

Lojas com roupas de cortes diferentes, lojas com camisetas alternativas, restaurante mexicano, restaurante japonês, barzinhos, bancos, lojas de roupas básicas, lojas de discos, uma galeria...
... uma galeria. Não era apenas uma galeria. Álias, deixou de ser uma galeria por alguns segundos e tornou-se apenas uma moldura. Tudo tornou-se moldura naquele momento. Estava ele - que se quer sei o nome, mas nomearei-o de "Oh!" - com seus prováveis 25 anos de cabelos castanhos escorregando sobre óculos quadrados de armação grossa que protegiam seus olhos igualmente castanhos. Vestia uma camisa social azul clara, uma calça jeans justa e surrada e calçava mocassim marrom, descansando-os sobre uma segunda cadeira de forma preguiçosa e altamente sensual. Despojado e descompromissado. Suas mãos seguravam um livro de capa dura vermelha, antigo, provavelmente era algum de literatura brasileira ou inglesa.
Será que ele tinha o noção o quão naturalmente lindo ele estava?

Foram os três segundos mais sexuais da minha vida.


3 comentários:

Felipe disse...

Amigo, amei.

Anônimo disse...

Dificil te seduzir, hein.

Natália disse...

Eeee espera pelo príncipe encantado...