sábado, 16 de janeiro de 2010

Homem X Mulher + O Gay Afeminado

- Cláudio, depois de sua volta as férias, você voltou muito... gay. - Disse minha chefe
- Que bom, né? Eu sou um - Estava re-ativo. Essa semana foi de uma incrível falta de paciência com todos. Inclusive com minha chefe.
- Ah, mas eu não concordo. Para ser gay não precisa mostrar tanto. Não precisa ser tão feminino. - Ela disse querendo puxar conversa comigo. Fiquei quieto durante toda a semana, o que era estranho frente a minha personalidade.
- Se eu sou um gay afeminado, você é uma mulher de opinião limitada - Explodi. Já tinha dito que não queria conversar - Seu comentário foi preconceituoso. Não estou dentro dos padrões heteronormativos atuais. E daí? Fique você sabendo que há 50 anos atrás, os padrões heteronormativos, que agora você defende, impediam você de fazer uma faculdade e usar essas calças, como mulher. E não foi condicionando-se a este padrão que as mulheres no decorrer dos anos, conquistaram esses direitos. Pare de ser hipócrita. - O silêncio reinou aquele momento.
- Grosseiro. Volte ao seu trabalho.

A Homossexualidade está presente em 450 espécies de animais. Sua maior incidência é em Leões, Golfinhos, Carneiros e Chimpanzés Bonobos (TODOS são Bissexuais). Segundo Sigmund Freud, o ser humano possui a "Angústia da castração", a qual o homem teme a fêmea pela visão da vagina que remete a castração, o que provoca uma ereção - uma reafirmação por não ter sido castrado, evocando superioridade. Biologicamente o macho é mais ativo sexualmente do que a fêmea- prova disso, é produzirmos 150 milhões de espermatozóides diariamente frente a produção mensal de óvulos. A fêmea tornando-se mais vulnerável na gravidez, incubiu o macho da proteção da familia durante o período de gestação. Se ele falhasse, teria sido um Macho e pai 'fraco'. Isso remeteu-se a sociedade atual, onde o homem precisa ser o "Chefe da familia". Devido a esse padrão, o homem precisa sentir-se e mostrar-se "Forte e Superior", sendo a mulher, seu oposto, "Delicada" a fim de que não há competição no ambiente familiar. Essa virilidade é a ética moral entre os homens, criando uma sociedade hierarquizada, onde quem detém o "Poder" é a imagem da 'Força', o homem. Portanto, segundo Foucault, o homem no sexo faz da mulher o seu outro, sua constatação de virilidade. É através do sexo que temos a totalidade de sentidos corporais. É o fazer sexo com várias mulheres que nasce a comprovação da virilidade, pois o homem subjugou várias mulheres a sua 'força' e 'poder', ou seja, a sua 'proteção'.

Porém, não basta. O homem, além de SER, precisa PARECER e ser reconhecido como homem. A 'Masculinidade' é algo que segrega Homens x Mulheres. A Mulher, o feminino, é como se fosse a referência negativa do imaginário 'Homem'. Seja biologica ou psiquicamente, todos sabemos que temos traços masculinos e femininos que serão desenvolvidos perante a valores sociais. Atualmente temos um grande espaço nos relacionamentos heterossexuais. Tanto pela crescente independência feminina quanto pela liberdade sexual em diversos parceiros. O Homossexual então, é uma espécie de 'mulher ideal' e comportamento confortável no imaginário masculino: Alguem sem nenhum receio do prazer sexual, o qual, não remeterá-se a construção de um descendente e, conseqüentemente, à uma familia e a responsabilidade de mostrar-se o 'chefe'. O prazer sexual apenas pelo prazer sexual. E além disso, a não responsabilidade da virilidade imposta. Apenas "Ser" e não precisar lidar com a crescente miséria afetiva e limitação do padrão de comportamento.

Uma sociedade simplista e alienada precisa vestir uma 'saia' no homem homossexual. Ou pior, denominar a homossexualidade como "O Terceiro Sexo". Os Homossexuais continuam sendo individuos biologicamente machos ou fêmeas, mas só por que transam e tem um comportamento fora da heteronormatividade, são discriminados. Reparem: Os gays sofrem preconceito. Os gays afeminados, sofrem ainda mais que o primeiro grupo. Os transexuais/travestis sofrem ainda mais que o primeiro e segundo grupo. Cada um que aproxima-se mais do conceito feminino, é discriminado. De uma outra ótica, acontece com as lésbicas masculinizadas, as chamadas 'caminhoneiras' ou 'bofinhos'. Ao perceber que uma mulher - aquela que deveria ser protegida pelo homem - pode muito bem "ser um", causa uma espécie de 'medo' no mundo masculino.

Ainda para piorar, os gays afeminados sofrem preconceito no próprio mundo homossexual. "O gay não precisa ser tão gay..." ou "Pô, não precisa dar tanta pinta". E por quê não? Traduzindo as frases acima, seria como "Pô, somos gays, mas não podemos fugir do comportamento heteronormativo hipócrita imposto pela sociedade ocidental". E os homossexuais que tanto criticam esta feminilidade, muitas vezes, não reparam que eles mesmos o são. Vou dar dois exemplos, um deles até usei com minha chefe: Quando você tem um alface no dente, não percebe até que te falem. Isso por que ele está no seu interior. Quando um gay é efeminado, ele não percebe. Mesmo vestindo-se melhor, um cabelo diferente ou uma camiseta mais agarrada, não é perceptível para si. "E por que ele não muda?". Dá mesma forma que há um padrão de comportamento, há um padrão de beleza. Os gordos não gostam de ser gordos. Se pudessem, emagreceriam. Mas é difícil emagrecer por que o metabolismo e o estomago já acostumou-se em comer muito. Uma pessoa de 120 KG não acha seu prato 'Muito', diferentemente de uma pessoa de 50Kg, que não conseguiria comer este prato. A mesma coisa acontece com os gays efeminados. É de seu psicológico e seu interior. É o seu ser. Eu confesso e falo por mim. Sou gay, efeminado contido e, se pudesse escolher, continuaria Homem, ou seja, não viraria mulher.

Os gays efeminados mais caricatos são uma espécie de para-raios. Subversivos, corajosos e engraçados. Segundo Foucault, sabotadores e marginais da heteronormatividade. São a tropa de choque da visibilidade gay.
Embora revolucionário, também evocam a bipolaridade macho-fêmea, mas e daí? Da mesma forma que os rastafari são 'visíveis e diferentes', são e devem ser respeitados pela sua estética. Programas como "A Praça é Nossa" e "Zorra Total" colaboram com o preconceito. Em contrapartida, a inclusão de um gay efeminadíssimo e uma Drag Queen no Big Brother causa visibilidade e é, de certa forma, uma normatização do comportamento. Os efeminados são os que 'lutam' e enfrentam o preconceito, talvez inconscientemente, em sua imagem. São eles que conquistam o espaço. Espaço este que muitos gays "não concordo com os efeminados" usufruem sem se quer ter movido uma palha - Gays estes que, sozinhos com amigos feminilizam-se de 'brincadeira'.

Por que temos de ser masculinos ou femininos obrigatoriamente limitados? Desgenerifiquemo-nos e o mundo. E sonhemos com o dia que estas distinções - e outras - não tenham mais sentido.

Por Cláudio_DeLarge

9 comentários:

Natália disse...

Não acho que por ser gay, você precisa pegar metrô falando mais alto que todo mundo, efusivando mais que todo mundo. Eu particularmente acho uma postura vazia, que denigre a homossexualidade.Não tô falando de trejeitos femininos e nem de beijos gays públicos ( que eu apoio ). Mas dessa atitude com o único propósito de chocar. Como você falou muito de BBB nos últimos posts, sinceramente ( pelo pouco que vi ) não gostei de nenhum participante que representa a classe. Pelo contrário, só reafirmam minha idéia de que BBB não passa de circo.

Luminária Transcendental°°° disse...

Se tivesse um espaço abaixo assinaria o seu texto, pois concordo plenamente.
O gay não é apenas um segmnento da sociedade que deve seguir padrões e regras, sejam impostas por heteros ou por outros homossexuais...
A liberdade de expressão deve ser respeitada e aceita, desde que não agrida o proximo de forma direta.
Infelismente, ser gay ainda é um tabu, o preconceito é uma manifestação do medo e ignorância da humanidade... Espero um dia ser tratado por todos com respeito por ser o que sou, independente de ser gay...
A diversidade ainda é tratada como meio ambiente. Todo mundo se preocupa em conscientização, mas ninguém faz nada para mudar.

Efeminado ou não, saiba que te respeito por conhecer seus conceitos. O que vc faz em 4 paredes é um problema seu, mas por que a manifestação de realização sexual é apenas para os heteros?

Cláudio DeLarge disse...

Nath,
Mas não vamos generalizar. Há os gays caricatos escandalosos que ficam fazendo baderna no metrô da mesma forma que há a torcida organizada do Palmeiras, os adolescentes pós-matiné e os 'manos' que também fazem bagunça. Vemos os adolescentes pós-matiné voltando para casa as 23h da noite na maior baderna, mas nem por isso justificamos que os adolescentes (ou a grande maioria de) são baderneiros... São nichos de comportamentos!

Rod,
Você está certo. Antes de pedirmos respeito, temos que respeitar a nós mesmos, nossos semelhantes (de personalidade, digo) e a todos os outros com SINCERIDADE. Conhecendo a si próprio, conheceremos a Deus e o mundo.
:)

Paulo Ricardo disse...

É claro que no mundo de hoje a diversidade reina pra tudo, e criticar ou apontar o dedo pra algo/alguem é o mesmo que pedir pra que façam o mesmo com você mesmo. A aceitação, opinião e etc é muito pessoal ... realmente... mais o respeito tem que ser quase que obrigatório. (nussa faleidemais HEUOHEUOHE)

Michael Lourenço. disse...

Como eu já disse antes, o que falta nas pessoas é o amor. A partir do momento em que enxergamos a essência das pessoas, a pureza, o que é divino, nada incomoda, pois passamos a ver um ser-humano, e não como eles agem ou são. Isso, passa a ser meros detalhes para não dizer que todo mundo é igual, rs. Mas eu sou muito sonhador pois todos estamos numa evolução, ainda assim, alguns conseguem chegar nesse estado de espírito. Partindo de um princípio um pouco mais fácil ( amar a todos é muito difícil mesmo), temos que respeitar o próximo. Preferências existem em qualquer lugar e com qualquer pessoa. Eu posso gostar ou não de efeminados. Todavia, não devo discriminar, negligenciar ou "tirar sarro" de alguém por isso, aliás por nenhum outro motivo. Eu entendo o que é alegado,que gostam de homens e não de mulheres. Porém, em primeiro lugar, cada um sabe do que gosta, então os efeminados deveriam pegar mais leve na hora de dizer que são discriminados, e segundo, para os que não gostam de efeminados, que gostam de homens com jeito de homem, devem pegar mais leve na hora de falar, muitos ofendem dizendo " não gosto de bixinhas, mariconas, bla bla bla." Uma palavra, sabe , apenas não gostei de você, não curti, resolve tudo sem ignorância e ofensas. Cada um deve agir do modo que gosta e se sente melhor. E no final das contas, para esses que abominam efeminados, já que falar fino, ou ser delicado é ato de mulher, parem de ficar com outros homens porque, partindo da lógica deles, isso também é ato de mulher.

Anônimo disse...

blábláblá...auto afirmação... bláblá... + auto afirmação...blábláblá...auto afirmação... bláblá... + auto afirmação...blábláblá...auto afirmação... bláblá... + auto afirmação...blábláblá...auto afirmação... bláblá... + auto afirmação...blábláblá...auto afirmação... bláblá... + auto afirmação...blábláblá...auto afirmação... bláblá... + auto afirmação...blábláblá...auto afirmação... bláblá... + auto afirmação...blábláblá...auto afirmação... bláblá... + auto afirmação...blábláblá...auto afirmação... bláblá... + auto afirmação...blábláblá...auto afirmação... bláblá... + auto afirmação...

Anônimo disse...

Acho que você foi radical... já pensou na possibilidade da sua "chefe" querer o seu bem e estar de danto um toque naquele momento? Pare de pensar que o mundo está contra você e os gays...deve ser mania de perseguição, hein

Maysa

Paulo disse...

Oi, estava procurando fotos para minha postagem sobre bichas femininas e encontrei seu blog. Coincidentemente, fizemos uma abordagem parecida sobre o assunto.

Você está de parabéns, seu espaço é maravilhoso!

Grande abraço,
Paulo

Professor Francisco disse...

Gostei da matéria
contudo, eu faço doutorado em Psicologia e gostaria de trocar ideias com pessoas sobre essa assunto (homossexuais afeminados). Quem puder, e quiser, me de um alo

francisco1965@gmail.com

agradeço quem quiser me ajudar e participar da pesquisa