sábado, 26 de junho de 2010

About Love

- Amor tens por mim? Sei que direis que "Sim" e em vossa palavra eu hei de crer. Porém, se o fosse necessário jurar, por ventura, falso o provaríeis. Oh, gentil Romeu, se me amas, proclamai-o com sinceridade.
- Dama minha, oh Julieta! Eu juro por essa lua abençoada que de prateado adorna e embeleza as copas dest'árvores frutíferas.
- Oh, não jureis pela lua. Esta inconstante lua que em seu contorno circular muda todos os meses. Não haja de vosso amor provar-se-a assim tão mutável.
- Então pelo que posso jurar?
- Não jures nada, ou, se quiserdes, jure por ti mesmo, por tua nobre pessoa, que és o objeto de minha idolatria. Assim, te creio.
- És de todo o meu coração... de minha respiração... de meu amor...
- Não jureis. Embora com total alegria concebo este contrato de amor, confundo-me frente a aliança desta noite. És impetuosa, demasiada imprudente e demasiada súbita. Assim como um relâmpago que deixa de sê-lo antes mesmo que possamos dizer 'Ei-lo brilhou!'. Boa Noite!
- Vai-te embora? Por que me deixais assim insatisfeito?
- Oras, que satisfação quereis haverdes esta noite?
- A troca de vossa fiel promessa de amor pela minha.
- A minha fiel promessa de amor já vos dei antes mesmo de a pedirdes. É sua. [...]"
Trecho simplificado de "Romeu e Julieta", Sheakespeare


Querias eu, tanto, poder escrever sobre Amor. Nunca senti a irracionalidade que é o amor e a dor que o mesmo provoca. O amor é o fogo que arde sem se ver, e o meu coração sempre mostrou-se dorminhoco. Se é fogo, desejaria transformar meu coração em um bule. Bule este que ferve um sangue em ebulição, onde a saída do vapor seria a minha boca em um beijo apaixonado. Em meu devaneio amoroso e solitário, imagino um perfeito beijo. Beijo este que iniciar-se-a do olhar. Meu olhar viajará, então, por cada detalhe e desenho da íris do meu possível amado e amante. Contará seus cílios ondulados, fazendo-me sentir minha pele desgrudar-se de meus ossos. A ponta de meu indicador passear-se-a  pelo contorno da maçã do rosto rosada, contornando  o lóbulo da orelha e terminando nos cabelos. Durante esta viagem, meu cérebro confundir-se-a com uma metralhadora de sensações. O som do meu coração será o único a inundar o silêncio que se fará ao meu redor. Meu rosto aproximar-se-a e a ponta de meu nariz, inicialmente, passeará pelo rosto de meu amado, onde meus lábios tocarão partes desta minha perdição, este rosto, numa comedida e contida intenção. A ponta do meu nariz contornará teu nariz. Meus olhos fechar-se-ão e eu terei de respirar profundamente. Primeiro, para ver se esta sensação aparentemente palpável também odor possui. Segundo, para recuperar o fôlego na respiração invariável que me atingirdes. Minhas mãos então, segurar-te-ão o rosto como se fosse a mais frágil criatura existente e, que de meu cuidado, dependesse a vida. E, cuidadosamente e sedento, beijo-lhe os lábios, num sugar de vida vital e incondicional. Onde eu esqueça de minha existência, embora fazer-me-a sentir mais vivo que nunca. 

"A coisa mais importante que se deve aprender é amar e em troca, amado ser." - Frase do filme Moulin Rouge

Por Cláudio_DeLarge
Hoje eu assisti Moulin Rouge seguido de Romeu e Julieta. Não há coração que aguente.

4 comentários:

Fernando disse...

O amor não é irracional...

Tuty disse...

Me beija?

Anônimo disse...

Bonito post...

Amar pode ser bom ou ruim. Não é nada legal amar sem ser correspondido... Nem assim vc sentiu a "irracionalidade que é o amor"?

Você deseja um amor Platônico (talvez inspirado pelos filmes que assistiu hoje) e sou parecido com você quanto a isso; só um pouco mais pé-no-chão (ou mais desiludido, enfim).

Abraço!

Cláudio DeLarge disse...

♥ Sim, eu desejo um amor inspirado nos filmes que eu assisti. Um amor no qual eu possa declamar uma poesia em local público, fazer uma serenata e beijar na chuva. Poxa, todos desejamos um amor, assim, certo? É irracional e despreendido. Ok, poucos conseguem ou, no desespero inconsciente de ter um relacionamento, poucos esperam por esse amor. Talvez seja por isso que há tempos não tenho um relacionamento mais intimo. Tnho esperado muito por esse tipo de relacionamento.

O AMOR É IRRACIONAL. Posso estar errado, mas parto da premissa da contraposição: Emoção x Razão; Coração x Cérebro; Sentimento x Estratégia; Irracional x Racional = Cérebro. Até mesmo no outro comentário. "Estar desiludido" é não iludir-se, não amar fantasiiosamente; Fantasia é irracional... Não é!?

Ai, AMOR é confuso!