segunda-feira, 15 de junho de 2009

"O Sol É Para Todos"

"Ser grande significa ser incompreendido" - Oscar Wilde

Logo quando termina uma Parada Gay, já fico na expectativa da próxima.
Fico desconfortável em lugares muito cheios por que tenho uma enorme facilidade em me perder e meu senso de direção e localização é um dos piores da história homossexual. Além disso, sentir pessoas me apalpando e pedindo para me beijar sem compromisso me deixa extremamente tímido. Porém, mesmo com todos estes infortúnios e os graus Celsius abaixo de temperatiua 20, adorei cada dia principalmente pelas companhias.
Opiniões à parte, afinal não são todos que estão à favor da Parada Gay, que tornou-se um ativismo de Carnaval fora de época, este feriado prolongado provou uma coisa que eu já sabia: A NATUREZA E DEUS AMAM OS GAYS.
A Média de temperatura para esta quinzena estava mínima 6°C (Brrr!) e máxima 14°C. Não só não choveu nos dias que haveriam eventos gays ao ar livre como os ponteiros alcançaram 22°C em São Paulo, o que antes, era previsão de chuvas constantes e tempo nublado. Tive certeza, O Sol é Para Todos.
.
9º Prêmio Cidadania em Respeito à Diversi
dade (Quinta-Feira, 4, às 20h, no SESC Pompéia);
Saúde - José Gomes Temporão, Ministro da Saúde
Direitos - Iracy de Almeida Gallo Ritzmann, Secretária de Estado de Educação do Pará
Ação Cultural - Grêmio Recreativo Cultural Escola de Samba Arco-Íris
ONG - Grupo Arco-Íris
Documentário - Basta Um Dia, de Vagner de Almeida
Literatura - O Rei Momo e o Arco-Íris: homossexualidade e carnaval, de Fabiano Gontijo
Artes Cênicas - Projeto Sexo Verbal, do Núcleo Cênico ProjetoBaZar
Internet - Programa Escândalo
Jornalismo - matérias “Eles são do exército. Eles são parceiros. Eles são gays” e “Escolas ainda não sabem lidar com os alunos gays”, da revista Época
Memória - Paulo César Biagi, coordenador do Programa “Brasil Sem Homofobia”, e Sergio Aparecido dos Santos, militante e fundador do GESC
Especial - Secretaria Especial de Direitos Humanos pela I Conferência Nacional LGBT
.
9° Feira Cultural LGBT (Quinta-Feira, 11, das 10 às 22h, no Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo);
Segundo a associação da Parada Gay, foram 145.000 pessoas presentes no evento. O legal é que, em um dos estandes havia a possibilidade de cadastramento no site da campanha Não Homofobia!, que ajuda a pressionar o Congresso a aprovar o projeto de lei 122/06, que criminaliza a homofobia em âmbito nacional.
Convidados Principais: Daniel Peixoto (Montage), Madame Mim, Silvetty Montila, Gretta Sttar, Alexia Twister, Amanda di Polly, Márcia Pantera, Paulette Pink, Stefany di Bourbon e Sissi Girl, entre várias outras.

9º Gay Day (Sábado, 13, das 10h às 22h, no Playcenter);
Até o fim da tarde já tinham passado pelas catracas do parque mais de 6,5 mil pessoas. Apesar do frio, com máxima de 17 °C. Uma Parceria de Ultra Diesel, Trash 80’s e Manhunt, com os DJ's Michele Iaiá (Itália), Ricardinho Cunha, Nina Lopes, Paty Laus, Prissy, Juliano Castro, Sandra Bull, Cris Vilella, Feeling (L²indooo), André Yakko, Patricinha Tribal e Slam. Apresentação por Silvetty Montilla (Essa está em todas).

7ª Caminhada Lésbica “Não se Cale! Ser Lésbica é um direito!”, 13, às 13h na Avenida Paulista);
Organizada pela Liga Brasileira de Lésbicas e sob o tema "Não se Cale! Ser Lésbica é um direito! Não à violência contra a mulher. Por um mundo feminista!", teve shows da cantora Tânia Cristina, bonsai kittie, animação das garotas do Fuzarca e terminou com show do grupo Santa Saia.

13ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (Domingo, 14, a partir das 12h na Avenida Paulista);
"Sem Homofobia, Mais Cidadania! Pela Isonomia de Direitos" foi o tema da 13° parada do orgulho LGBT.
Terminando oficialmente às 18h40, duas horas mais cedo em relação a parada do ano anterior, a parada gay teve 412 atendimentos realizados, um número baixo em comparação aos 700 atendimentos registrado do ano passado. A quantidade de participantes será divulgada apenas na quarta-feira (17), mas a estimativa é de 3,4 milhões de pessoas.
Em pesquisa feita na parada de 2005/06, o perfil do público é em sua maioria masculino com 59.6% frente à 40,4% ao feminino. A Faixa etária é, em ordem, 11,8% até 18 anos, 14% de 19 à 21 anos, 18,7% 40 anos ou mais, 16,8% de 30 à 39 anos e 31,6% de 22 à 29 anos.


Cada dia que passa sinto-me mais feliz por ser o que eu sou. Não digo "Orgulho", pois transparece a sensação de que somos superiores. Somos formados por uma enorme diversidade, mas todos merecemos o mesmo respeito.
Minha irmã questionou-me sobre a necessidade de eu expor-me e tornar-me um ativista. Respondi que não é só necessário, como meu dever. Não quero ser um corpo inerte no conglomerado individualista que é o mundo e morrer sem ter feito absolutamente nada àquilo que me faz sofrer tanto e, ao mesmo tempo, me traz as alegrias. Ser homem é ter hombridade, caráter, saber respeitar a todos sem distinção e ter peito e a certeza de não se curvar frente a ignorância e não ter medo que a sua morte seja em benefício da iluminação mental.
Ok, pode ser demagogia ou viagem, mas acredito nisso e estou no caminho certo. Não digo que sou ativista apenas or ter ido a parada. Estou envolvido em outros trabalhos que falarei mais para frente. Porém, aquele lindo sol esquentando todas aquelas pessoas que contribuiram para uma grande festa, mesmo com os empurras-empurras, foi LINDO!


"Só se desvirtua dos ensinamentos de Deus quem não consegue amar. Para mim, a única lei que é eterna e verdadeira é a lei do amor. A partir daí, tudo o mais é consequência. Quem ama, compreende, ajuda, não crítica, não rouba, não inveja, não mata e não fala mal. E isso é o que conta no ser humando. Independente se for homem ou mulher, hetero ou homossexual, rico ou pobre, branco ou negro." - Trecho do Livro 'O Preço de Ser Diferente'

Cláudio_DeLarge

3 comentários:

Anônimo disse...

Eu sabia que hoje vc escreveria, rs, então vim fazer meu comentário.

Considerações sobre a Parada:
1 - Muito mais civilizada do que os anos anteriores (é minha sétima Parada). Eu digo que as pessoas que estavam lá PELA Parada foram mais civilizadas, porém, os assaltos continuam...
2 - Eu disse para meus amigos ontem que Deus e São Pedro são gays, rs, ou simpatizantes. Nunca vi chover em Parada e está sempre um céu azul, limpo.
3 - Não vejo problema em ser um Carnaval fora de época, afinal, tudo no Brasil é festa, inclusive protestos, manifestações. Só faltou um sambinha ontem...
4 - Foi muito, mas muuuuuuuito rápida! Acho que correram para não passar do tempo e acabou muito rápido. Isso fez com que uma multidão ficasse na Paulista sem a música dos trios. Resultado: quem não tem o que ver, dançar, se distrair, arranja briga.
5 - Quero levar minha cachorra no próximo ano, mas ainda não sei como fazer isso, rs.
6 - Achei o Leão Lobo um fofo.
7 - Não vi a Silvetty, queria tanto ter dado umas risadas!!
8 - Adoro meus amigos, eles foram uma cia e tanto neste "feriadão gay".
9 - Esqueci minha bandeira do arco-íris em casa e só fui lembrar disso no caminho...
10 - Primeira vez que fui de carro, senti falta daquela festa DIVERTIDÍSSIMA dentro do Metrô...
11 - Jantar no Frei Caneca no dia da Parada, escutar o som de um copo quebrando e a praça de alimentação INTEIRA gritando: "uuuuuuuuuuuuuhhhhhhh" NÃO TEM PREÇO!!!!
12 - O melhor de tudo é ter um dia do ano que realmente podemos ser o que somos. Quando fomos atravessar a Augusta, na volta da Parada, um motoqueiro parou no meio da rua para que eu e meus amigos pudessemos atravessar, eu até disse: "Caramba, hoje parece que somos reis desta cidade...".
13 - Proteror solar é o que há!!

Ah, acho que chega né... rss.

Beijos,

Rafa.

Cláudio DeLarge disse...

Você é um fofo, Rafa. E não só concordo como achei LINDO sermos "Os Reis da Cidade". Cada dias crescemos mais, e como o próprio Wilde Diz, ser grande é ser incompreendido. Mas vamos vencer!

Nath disse...

Nosso santo é forte meuamô! Dias gélidos deram trega pras travas. E sim, talvez o " ser incompreendido " não seja um mal completo, pois é isso que nos faz sentir-mos únicos. ( olha a pseudo-hetero aqui abraçando a causa ).