domingo, 18 de outubro de 2009

Chuva de Outubro

- Posso te pedir uma coisa? Pode até ser escondidinho.
- Pode dizer! - ele respondeu com um sorriso, enquanto apertava o passo a fim de tentar fugir dos pingos grossos de chuva.
- Sempre quis dar um beijo na chuva. Você poderia...
E minha frase foi interrompida por um beijo inesperado. Senti beijando seus dentes já que ele não conteve o sorriso da própria atitude. Fiquei na ponta dos pés e entrelacei meus braços acima de seus ombros. O gosto dos pingos frios que escorriam pelo seu rosto davam-me sede e eu precisava do gosto de cada gota, da chuva, dele e de tudo que acontecia no meu interior e no exterior. Parei e, ao olhar nos seus olhos azuis, segui a gota de chuva que nasceu de seus cachos negros molhados e desceu ao lado da perdição que eram seus olhos. Caminhou lentamente por cada pequeno fio de barba por fazer, terminando num sorriso branquíssimo, sincero e hipnotizante.

Tudo pareceu parar. Eu conseguia até ver cada pingo de chuva caindo lentamente sobre a Rua Augusta brilhante. Visualizava cada gota explodindo no chão, nas poças, nos carros e em seus ombros.
Sabe aqueles momentos da sua vida que tudo parece estar em câmera lenta? Então, este foi um dos meus.
Em seguida, para compensar o tempo em lentidão, tudo acelerou-se. Quando dei por mim, estava deitado em minha cama olhando para o teto cheio daquelas estrelas que brilham no escuro. Um céu cheio de estrelas e sem nuvens. Um céu sem a chuva.
Também havia uma cama sob um céu sem chuva, e sem o menino de cabelo cacheado.

Cena do Filme "Bonequinha de Luxo"

"Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa, amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita" - Carlos Drummond de Andrade

Por Cláudio_DeLarge
Dedicado ao medroso mentiroso.

6 comentários:

Anônimo disse...

É um dom incrível este que você carrega: o de transformar algo já lindo em mágico; quase divino. Essa forma de escrever que muitos desenvolvem com anos, está em você até quando se expressa verbalmente. Simplesmente lindo. *E fale onde é essa fonte de carga poética que eu também vou me renovar nela! =*

Anônimo disse...

Aaah!! E como disse Fernando Pessoa, a vida não é feita só de momentos bons, mas prefiro imensamente quando você passa e escreve sobre eles.

Lu_ disse...

Qm foi o sortudo que t proporcionou essa experiencia?
Hahahahaha!
O engraçado eh q eu lembro de vc falando o quanto sonhava com um bjo na chuva. To torcendo para q tenha sido com o garoto certo e q t mereça (dificil, pq vc eh unico)

Amo vc, bichinho. z2

Luminária Transcendental°°° disse...

Mias uma vez agradeço pela sua contribuição no meu Blog.
Seu texto me remeteu a uma situação semelhante que me aconteceu recentemente, mas não tinha me apercebido do quão bom é beijar na chuva...
Ai de nós que somos românticos... Todo romance é meio trágico ou angustiante, mas sem essa "falta de ar", não saberiamos dar o devido valor ao prazer que até a dor nos trás...
Um Grande abraço!
"Confesso que também sou seu fã!"^^

Cell disse...

Lindo texto clau!!
parabens!! mto bom ver vc escrevendo sobre seus sentimentos!! vc consegue transportar quem está lendo para dentro da cena..
continue sempre assim!
gde bjo
Cell

Natália disse...

Lindo.